Sobre a ReSA

A Rede Sementes da Agroecologia – ReSA nasce no ano de 2015 a partir de acúmulos coletivos de organizações atuantes no Paraná, como um espaço articulador e organizativo das iniciativas que dizem respeito às sementes no estado, dando maior visibilidade e capacidade política de enfrentamento às diversas ameaças enfrentadas. 

A rede tem como objetivo fortalecer a agroecologia como modelo para a produção de alimentos, garantindo uma maior autonomia às famílias produtoras e consumidoras, promovendo o conhecimento e a multiplicação das variedades e das experiências. 

A ReSA é esse espaço no Paraná, que pretende congregar guardiãs e guardiões, movimentos sociais camponeses e de comunidades tradicionais e organizações que lutam pelos direitos dos povos sobre as sementes. 

É preciso nos organizarmos para garantir a circulação de sementes crioulas no estado, preservar a agrobiodiversidade e defender os direitos das agricultoras e agricultores sobre as sementes crioulas, denunciando aquilo que nos ameaça e anunciando o que nos dá esperança e força para seguir!

Nossa caminhada

Motivadas e motivados por um longo histórico de trabalho em defesa da agrobiodiversidade que remonta aos anos 1980 em vários territórios do Paraná e também a campanha em defesa das sementes crioulas “Patrimônio dos Povos a serviço da humanidade”, lançada no Fórum Social Mundial de 2003 pela Via Campesina, muitas ações foram desenvolvidas em torno da conservação das sementes crioulas. Destacamos as feiras e festas de sementes, resgate de variedades e identificação de guardiões e guardiãs no Paraná. É a partir de todo esse processo de organização coletiva que surge, em 2015, a Rede Sementes da Agroecologia (ReSA).

É uma rede descentralizada que respeita as diferenças regionais, bem como os processos realizados pelas famílias, suas articulações e os diferentes espaços organizativos existentes.

A ReSA – por meio da articulação e do diálogo das diferentes iniciativas relacionadas à preservação, a produção, a reprodução, a comercialização e a troca de sementes crioulas – luta para assegurar aos povos o livre acesso às sementes, como direito humano, garantindo a produção saudável de alimentos e a sua preservação para as presentes e futuras gerações.

Na conservação e manutenção da agrobiodiversidade, a rede incide politicamente na garantia do direito dos camponeses, camponesas, agricultores, agricultoras, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais comprometidos com a Agroecologia e contribuindo para a soberania dos povos.

Quem faz parte

A Rede Sementes da Agroecologia é composta por diversas organizações e movimentos sociais que atuam pela preservação da agrobiodiversidade, tanto no campo quanto na cidade, no estado do Paraná.

Conheça abaixo as organizações que atualmente fazem parte da ReSA:
Associação Brasileira de Amparo à Infância (ABAI) – Fundação Vida para Todos
Associação de Estudos Orientação e Assistência Rural (ASSESOAR);
Associação para o Desenvolvimento da Agroecologia (AOPA);
AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia;
Rede Ecovida;
Comissão Pastoral da Terra (CPT);
Fundação Luterana de Diaconia/Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (FLD/CAPA) Núcleo Verê;
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST);
Terra de Direitos;
Instituto Contestado de Agroecologia;
Coletivo Triunfo;
Grupo Terra Jovem;
Terra Indígena Pinhalzinho;
Terra Indígena Laranjinha;
Terra Indígena Ywy Porã;
Laboratório de Mecanização Agrícola da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Lama/UEPG)

Redes Sociais

 

                

Contato