Nossa caminhada

Motivadas e motivados por um longo histórico de trabalho em defesa da agrobiodiversidade que remonta aos anos 1980 em vários territórios do Paraná e também a campanha em defesa das sementes crioulas “Patrimônio dos Povos a serviço da humanidade”, lançada no Fórum Social Mundial de 2003 pela Via Campesina, muitas ações foram desenvolvidas em torno da conservação das sementes crioulas. Destacamos as feiras e festas de sementes, resgate de variedades e identificação de guardiões e guardiãs no Paraná. De todo esse processo de organização coletiva surge, em 2015, a Rede Sementes da Agroecologia (ReSA).

É uma rede descentralizada que respeita as diferenças regionais, bem como os processos realizados pelas famílias, suas articulações e os diferentes espaços organizativos existentes.

A ReSA, por meio da articulação e do diálogo das diferentes iniciativas relacionadas à preservação, a produção, a reprodução, a comercialização e a troca de sementes crioulas, luta para assegurar aos Povos o livre acesso às mesmas, como direito humano, garantindo a produção saudável de alimentos e a sua preservação para as presentes e futuras gerações.

Na conservação e manutenção da agrobiodiversidade, incide politicamente na garantia do direito dos camponeses, camponesas, agricultores, agricultoras, povos indígenas, povos e comunidades tradicionais, comprometidos com a Agroecologia e contribuindo para a soberania dos povos.